IMG_1249

Decisões 

dianaadmin Amor Próprio, Psicologia Positiva, Viver 2 Comments

Tomar decisões parece ser das coisas mais difíceis de tomar.

Agarrados à ideia de uma vida perfeita, que não contemple erros nem falhas, muitos de nós preferem não tentar, não ousar viver, não ver o que acontece para além das decisões. E quando assim é, muitos de nós ficam presos ao sítio onde estão durante uma vida inteira,  porque não se permitem ver depois da decisão, pelo medo de errar.

Talvez esta dificuldade esteja enraizada à ideia que errar é negativo, é feio, é mau, é qualquer coisa que nos define como más pessoas, e mal vistos aos olhos dos demais, e assim sendo, o maior erro torna-se mesmo, ter uma vida vazia de decisões.

Algumas das decisões que tememos tomar, influenciam outros que de nós dependem, e aí, a ponderação e a análise devem ser feitas, não abdicando porém, da certeza de que não há certezas, nem certo, nem errado, há sim vidas que devem ser vividas em função do equilíbrio mental, emocional e espiritual, e não da estagnação e do vazio.

Só saberemos se foi uma decisão boa ou não, depois de a tomar, nunca o saberemos se ficarmos só com as decisões no plano mental. E no fundo, se viermos a descobrir que erramos na decisão tomada, estaremos certos que muito aprendemos com ela, e que o caminho não é por onde imaginávamos que era.

Tomar decisões também é do domínio da confiança, e a confiança é do domínio da estima e do amor.

O erro é bom, é construtivo, permite-nos viver e descobrir parte da vida que trilhamos todos os dias, com o objectivo de a  vivermos da melhor forma possível. O pior de uma má decisão, é sempre uma vida com a ausência dela, à deriva, e em função das decisões de outros.

Diana

Fotografia | Teresa Lamas Serra

Comments 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *