Diana Vishneva

És o teu próprio medo?

Diana Gaspar Amor, Amor Próprio, Confiança, Gratidão, Paz, Viver 0 Comments

Há medos reais e outros tantos imaginados e construídos.
Grande parte dos medos que circulam dentro de nós são construções mentais internas que espelham a forma como fomos olhando, sentindo e interpretando o mundo da forma como fomos conseguindo fazer.
Se temos medo de tudo, então isso poderá significar que temos estado centrados no perigo, na dor, no infortúnio e na perda.
Se temos medo de nos expressarmos, então isso pode significar que temos dentro de nós um padrão mental alicerçado no medo da critica, do julgamento e daquilo que os outros possam vir a pensar sobre nós.
Se temos medo de arriscar então isso pode significar que só confiamos no que controlamos, no que depende diretamente de nós e, do que está ao alcance dos nossos olhos e mãos.
Se temos medo de ficar doentes então isso pode significar que estamos centrado num mundo perigoso que a qualquer instante nos vais atacar e perturbar a nossa saúde e a dos que amamos.
Se temos medo de dizer que amamos, talvez isso signifique que não fomos educados a viver de amor.
Se temos medo de ser autênticos, então isso pode significar que tememos a opinião dos outros porque a valorizamos muito mais do que a nossa, ou porque temos medo que os outros olhem para nós como nós olhamos para eles, ou porque tememos que deixem de gostar de nós tal e qual como somos.
Se temos medo de viver, então isso pode significar que acreditamos que a vida é madrasta e mais vale andar desconfiados para prevenir qualquer atropelamento que nos leve desta para melhor, ou pior.
Se temos medo de assumir o que quer que seja talvez isso signifique que não confiamos em nós, nem na nossa forma de estar e resolver os desafios diários da vida.
Ainda bem que há medos que nos permitem perceber o que temos de fazer, se queremos viver esta experiência na vida da melhor forma possível. O medo não vem de fora, por muitas experiências traumáticas que possamos ter tido ou que possamos vir a ter.
O medo é uma construção nossa, é um molde mental que nos traz imensas mensagens. Basta escutá-las com carinho.
Abraça-o e percebe o que ele te diz sobre ti, porque podes ser tu o teu próprio medo, mas também podes ser tu o teu maior curador.

Diana

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *