Martina Valmassoi

Viver o que não somos, escondidos no que não temos, só nos levará para uma solidão acompanhada.

Diana Gaspar Amor, Amor Partilhado, Relacionamentos, Ser Feliz Com Sucesso, Viver 1 Comment

Não há relações ideais, ou melhor, só há relações ideais de acordo com os ideais de cada um. Também não há relações perfeitas, ou onde tudo corre sempre bem, embora acredite que temos necessidade de fazer algumas especulações em relação à própria forma de viver a relação e que isso nos leva, às vezes, a levarmos para um ideal de perfeição. No entanto, mesmo sem ideais e mesmo sem perfeições, acredito que as relações precisam de ser autênticas e verdadeiras – despidas e claras.
Só quando nos despimos, e aqui não me refiro só ao despir da roupa, e só quando nos permitimos a mostrar ao outro quem somos, o que queremos e quais as verdadeiras intenções para a relação, a podemos alimentar de equilíbrio e de amor. Despir pressupõem mostrar aquilo que temos de tão belo e o que temos de menos belo. Mostrar cicatrizes, receios, histórias passadas, experiências presentes, imperfeições e tudo aquilo que vamos sentindo e vivendo mais limpo e mais tóxico. Acredito que só desta forma podemos alimentar uma verdadeira relação de amor. Com acções concretas e com diálogos francos que nos façam viver a relação com o oxigénio necessário para crescer e florescer. Não adianta despir a roupa se não despirmos o coração. Não adianta comprar apetrechos se não mostrarmos a nossa simplicidade, as nossas crenças e intenções e, a nossa essência. Custa muito não viver da verdade, para cada um individualmente, e para as relações, que são o somatório dos envolvidos na relação. Acredito que não há nada que nos ligue mais ao outro que a expressão simples e despedida de apetrechos, e de partilharmos aquilo que vivemos dentro e fora de nós. Quando não tememos estar despidos, um mundo de possibilidades e de conexões nasce nas relações onde estamos envolvidos. Viver o que não somos, escondidos no que não temos, só nos levará para uma solidão acompanhada.

Diana

Fotografia | Martina-Valmassoi

Comments 1

  1. maria

    Certo Drª. Diana!
    Claro como a água, mas por impossível que pareça, é mais fácil despir a roupa, porque mostrar quem se é, em muitos casos dá logo direito a devolução e assim vai-se vivendo de puras ilusões, até ao dia em que ao mostrar quem somos, tudo vai pela água abaixo, ou então vive-se a solidão acompanhada. Vivemos numa sociedade onde o prazer fisico é na maior parte das situações o primordial e depois vêm os desgostos de amor.
    Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *