Matias Novo

Sabemos mesmo quem somos?

Diana Gaspar Amor, Amor Próprio, Confiança, Determinação, meditação, Mudança, Viver 2 Comments

Sabemos o que gostamos, o que nos faz vibrar e amar, sabemos o que pensamos, sabemos o que queremos, às vezes, sabemos muitas coisas sobre nós e sobre os outros, no entanto, não sei se sabemos quem somos e quando o descobrimos. Acredito cada vez mais, que nos vamos descobrindo a cada experiência, a cada emoção sentida, a cada escolha mais ou menos consciente, a cada instante onde nos cruzamos com o que sentimos e com o que vivemos. Acredito cada vez mais que o sentido da vida, é este, o da descoberta, daquela que nos vamos permitindo fazer diariamente, quando nos permitimos perceber de facto quem somos, para onde vamos e o que nos leva a fazer determinadas coisas em detrimento de outras.

Acredito também que este caminho é muito mais interessante e curioso quando definimos como o queremos viver, com que moldes, princípios, valores, e como queremos estar nele. É esta linha onde desenhamos como queremos viver, que nos permite depois o confronto com aquilo que estamos de facto a viver e a escolher, e onde nos permitimos descobrir mais sobre quem somos e o que nos faz agir de determinada forma e sentir aquilo que sentimos. E nesta forma de autoconhecimento, o mais interessante é que na realidade não sabemos do que somos capazes, não sabemos realmente quem somos, não sabemos realmente como são todos os outros que vivem perto de nós. Temos uma ideia, uma imagem e um conceito por aquilo que vamos observando e registando no tempo…

Acredito que esta perspetiva nos torna mais humilde no nosso caminho, mais capazes de tolerar o erro, o arrependimento, a vergonha, a duvida, algum tipo de angustia e dor, e tudo aquilo que vamos sentindo diariamente. O que se aplica a nós, também se aplica aos outros, e acredito que estamos todos na realidade em auto-descoberta constante.

Acredito que a vida é uma descoberta constante, onde temos a oportunidade diária de conhecer mais sobre o nosso mundo de crenças, convicções, emoções e sobre as histórias que trazemos dentro de nós, tornando-nos também mais curiosos em relação aos outros, e com menos necessidade de os julgar ou interpretar. E na verdade, o caminho da vida acredito ser feito da complexidade para a simplicidade e não o inverso. Mais do que parecer o que somos ou não somos, podemos sempre escolher abraçar um caminho onde vamos sendo todos os dias, sabendo de antemão o que queremos e como queremos viver, sem, no entanto, a angústia constante de saber quem somos mas com a intenção presente de viver o momento com um confronto sereno do que estamos a sentir, com o que estamos a viver.

Diana

Fotografia | Matias Novo

Comments 2

  1. Fernanda

    Olá Diana, de facto não sei quem sou estou numa fase da minha vida em que me perdi de mim e não consigo encontrar-me, estou cansada de mim, da minha vida, de tudo. A tal ponto que não encontro um sentido na minha vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *